segunda-feira, 26 de março de 2012

defesa da tese, 30.03.2012



O Senhor Gonçalo M. Tavares é um poeta que parece não necessitar mais, minimamente, de qualquer ideia de verso ou de linha ou de frase, esta discussão não é mais a sua. É um poeta que sugere, contra e com o cogito, a hesitação e a emergência. A sua questão, ou propósito, é emergir o espírito livre na figuração errante de um dançarino sutil em meio a uma escrita oscilante, errante, que se pretende uma dança investigativa das conexões mais equivocadas e certeiras entre a existência e a linguagem. Isto é um pouco do que este trabalho se pretendeu como um treino da e para a lucidez, treinar a musculação da lucidez, diante de um mundo que muitas vezes não é nada e que parece também muitas vezes não ter questão alguma, um mundo que se apresenta apenas como extravio [da conclusão, outras anotações de abertura

4 comentários:

  1. .."treinar a musculação da lucidez, diante de um mundo que muitas vezes não é nada e que parece também muitas vezes não ter questão alguma, um mundo que se apresenta apenas como extravio"...adorei tudo isso!!!

    ResponderExcluir
  2. Você merece um mundo inteiro de delicadeza e amor.

    ResponderExcluir
  3. Good luck for today!

    M.

    ResponderExcluir