domingo, 16 de janeiro de 2011

onde mora natasha romanoff

veja bem o que aconteceu quando você voltou de moscou
durante aquela chuva fina, de surpresa, e invadiu a casa pela
janela. heather podia dormir ali e gritar por causa do barulho da
vidraça. heather mantém os cabelos curtos. mary jane, como
você, mantém os cabelos longos, e nunca dormiu por aqui, mas
sempre quis que viesse, que ficasse um pouco. mary jane é
muitas vezes bonita demais. mas agora é como se mudasse a
casa, de surpresa e pela janela, para lambari, e henriqueta
lisboa com o cabelo preso molhado de musgo diz a você
igualmente vestida de negro que é uma menina selvagem. um
assombro entre a árvore e o dia, a alma e os ossos. alma em
suspiro pelo encontro do que fica sempre mais longe. anônima
e traidora, esquiva e tímida, equilibrista e feroz, é que nenhum
amor dura tanto assim. os pés enfiados no estômago, a palavra
sai dura, a boca, o silêncio disfarçado na fumaça noturna, uma
dança e o esforço: manter o corpo de pé

manoel ricardo de lima
[esse poema faz parte da série inédita onde você está]

3 comentários:

  1. que ótimo, mané,

    fico aqui pensando: se mary jane tivesse conhecido hazey jane teria sido uma loucura na vida do homem-aranha... "Hey slow Jane, let me prove
    Slow, slow Jane, we're on the move" Nick Drake. Aliás, será que não são a mesma pessoa??? então, vc está soltando as teias dos poemas hqss heim??!! maravilha, abraço bem slow pra vc, davi.

    ResponderExcluir
  2. outro dia, pensando num herói fracassado, lembrei dessa série aí. bacana.
    saudades de vocês.
    grande abraço

    ResponderExcluir
  3. eu vou querer ler onde você está.

    ResponderExcluir